Quem tem medo da prototipação?

Nas últimas semanas participamos de uma verdadeira maratona de eventos voltados para a cultura maker, a criação e o empreendedorismo: o InovaMinas, a Finit, a MiniMaker Fair, a Campus Party, o Congresso da Anpei e o MuseoMix. Saímos dos eventos contagiados pela atmosfera de inovação que tomou conta de Belo Horizonte. Aprendemos muito sobre a forma como as pessoas entendem a cultura maker. Um tema que nos chamou a atenção é um dos pilares do FAZ: a importância da prototipação para o amadurecimento das ideias.

Assim como tudo o que envolve criatividade, projetos inovadores trabalham com uma boa dose de risco e incerteza. A intenção por trás da prototipação é exatamente tornar essas incertezas visíveis no projeto, adequando-o o quanto antes, prevendo erros ou possíveis reajustes de rota.

Muita gente investe um tempo enorme tentando refinar o projeto na cabeça, com medo de gastar dinheiro com materiais e tempo de oficina. Mas ao contrário do se acredita, a prototipação reduz o tempo de fabricação ou conclusão do projeto. Quanto antes você tirar um tempo para produzir sua primeira versão, mais rápido você terá insights que te levarão à versão final. É aquilo que o pessoal de startups prega: errar rápido para errar barato, errar muito pra aprender muito. Sem um protótipo nada disso acontece.

Algumas pessoas têm vergonha de fazer um protótipo e ficar parecendo que o produto é ruim ou mal feito. Pior do que um protótipo improvisado, é mandar fazer uma quantidade maior na indústria e descobrir que não atende à necessidade do cliente, ou tem algum defeito difícil de corrigir.

Por esses motivos, é preciso perder o medo de colocar as mãos na massa e transformar sua idea em protótipo. Sem medo, sem vergonha. Boas ideias são frutos de testes, erros, acertos e, principalmente, do feedback de outras pessoas. Por isso, o fazer é parte crucial do processo de inovação e algo que ainda precisamos amadurecer na nossa cultura.

By | 2017-11-21T12:25:29+00:00 novembro 20th, 2017|Uncategorized|Comentários desativados em Quem tem medo da prototipação?